Finalmente livres, por Gonçalo Marques.

Como é que a BMW comemora a despedida do CEO da Mercedes? Oferecendo-lhe a sua liberdade.

Parece estranho, mas é essa a mensagem passada pela BMW no momento da cessação de funções do CEO da Mercedes, Dieter Zetsche. Num anúncio que mais parece uma curta-metragem, a BMW recapitula o último dia do CEO em planos emotivos, de despedida e de agradecimento por parte de todos os que com ele se cruzaram e trabalharam.

Imaginamos o que poderá estar a ser sentido naquela viagem por Estugarda, em que apenas 3 planos o separam da vida profissional da de aposentado. Parece que, nestes breves segundos, nós próprios revisitamos as nossas próprias despedidas, as memórias do último dia, os motivos que nos levaram a mudar, quando imaginámos os nossos futuros, e com ele as descrenças e os receios que nos ocuparam a mente, mas, sobretudo, o sonho de uma nova aventura!
E que aventura!

Quando finalmente ocupamos o lugar do condutor, como a personagem do agora ex-CEO da Mercedes, sentimos a leveza do que é ser livre. Na perspetiva da BMW, liberdade é poder conduzir o carro que queremos e não o qual somos obrigados. O que interessa é podermos ser livres de decidir o que queremos fazer. E ser livre é o estado natural das coisas.

A mensagem final é de agradecimento e reconhecimento pelos anos de boa concorrência. Mas será só essa a mensagem que a BMW quis mesmo passar?
Cabe-nos decidir qual a mensagem que queremos reter:

O meu nome é Gonçalo Marques e tenho 25 anos. Estou há 8 meses na 10.digital e… que aventura! Senti a melancolia da despedida e a adrenalina do novo capítulo da minha história, por isso este anúncio foi tão marcante quando foi lançado. Gosto de campanhas que coloquem em confronto duas ou mais marcas concorrentes. Saber respeitar quem compete connosco é o primeiro passo para percebermos em que é que podemos ser melhores e por que motivo a nossa marca é a melhor. E é aqui que a BMW consegue brilhar.

Imagination at work, por Oluwapelumi Egunjobi | 10.digital

Se uma campanha é a forma visual e auditiva de perceber uma marca, então um slogan é o motivo pelo qual a marca fica connosco. E tem de ser especialmente impactante para ressoar com o público, seja ele qual for.

O slogan da General Electric é impactante e ressonante para quem se cruza com ele: Imagination at work.

Fundada em 1892 pelo maior inventor americano de todos os tempos, Thomas Edison, a General Electric é uma empresa global cujos negócios se estendem desde a aeronáutica, à electricidade, cuidados de saúde, ou à área petrolífera.

Em 2003, a marca decidiu evoluir em vez de se reinventar. Após uma enorme introspecção e alguns estudos e testes à sua relevância e vitalidade, apresentou uma fórmula que resumia os temas mais marcantes dentro da sua cultura organizacional: pessoas, curiosidade, empenho, suor e imaginação.

Através desta equação, que exprimia a essência da General Electric, surgiu o slogan: Imagination at Work.

Se pudesse resumir a General Electric seria mesmo a ideia de “se eu consigo imaginá-lo, então eu consigo fazê-lo”! Esta premissa permite-me, inconscientemente, atingir resultados que julgava inalcançáveis. Se isto não é a perfeita sintonia entre o slogan de uma marca e a sua atitude perante o mundo, então não sei o que será.

O meu nome é Oluwapelumi Egunjobi, sou nigeriano e tenho 29 anos. A minha história com a publicidade é curta, até porque entrei há 1 mês na 10.digital e o meu background é de Back-End Development. Mas no contacto diário com pessoas da área, passei a ver esta arte com outros olhos e a associá-la ao meu conhecimento. Se há slogan mais adequado para este meu percurso seria, sem dúvida, imagination at work.

Quem ganhar, fica!, por Bernardo Pessoa | 10.digital

Vestir a pele dos nossos heróis é sonho de criança. E quando jogamos futebol, os heróis somos nós!

O meu nome é Bernardo Pessoa e tenho 22 anos. Sou um apaixonado por futebol. Era inevitável que a minha campanha favorita fosse sobre como rolar a bola por entre 22 pessoas, transformando-as em jogadores profissionais, e arriscando tudo quando apostamos em nós próprios.
Este é o objetivo da campanha da Nike: Risk Everything.

O anúncio antecipa uma batalha campal: vemos dois grupos de amigos a aproximarem-se e antecipamos uma luta para ganharem o respeito das ruas, a fama entre os próprios e, sobretudo, para continuarem a jogar no campo de futebol do bairro. Não é só o dono da bola que joga sempre: o vencedor também.

Neste jogo, os atores assumem os sonhos de qualquer criança (e adulto) que toca numa bola, finta, remata e marca um golo! Durante o jogo vestimo-nos como os super-heróis do futebol. Sentimo-nos como o Cristiano Ronaldo, o Neymar, ou o Ibrahimovic. Naqueles 90 minutos (ou 60 minutos, porque nem todos aguentam o ritmo), somos os mestres da bola.
É essa a história deste anúncio da Nike.

O rapaz franzino transforma-se no Zlatan Ibrahimovic, dois defesas transformam-se no David Luiz e, quando o jogador nervoso se engana no nome, todos ficam a olhar estupefactos para o carteiro a jogar com eles.

Entre fintas magistrais, jogos de câmara profissionais e entradas para vermelho direto, os golos vão-se marcando até ao momento em que “o próximo a marcar, vence”. E, sabe-se no futebol de rua, quem vence, fica.

No momento em que o anúncio chega ao seu clímax, espectadores ansiosos esperam que o penalti que definirá o resultado seja marcado pelo jogador que não falha. É aqui que a mensagem da história sobressai: não é o jogador mais conhecido do mundo que vai marcar. O vencedor será quem tem a coragem para arriscar tudo e jogar na sua própria pele. Vestir a sua capa de super-herói e sentir o jogo em primeira-mão, independentemente do resultado.

“Arrisca tudo”, diz a Nike. É que o prémio vale a pena.

…e a vida sorri, por Filipe Saavedra | 10.digital

Um gelado sabe bem em qualquer altura, mas sabe melhor quando se partilha o momento com alguém.

Se hoje o Cornetto é uma presença incontornável nos catálogos de gelados da Olá, devemo-lo ao ano de 1976 e, principalmente, à produtora italiana de gelados, Spica.

A ideia de se vender um gelado congelado em forma de cone não era nova. Contudo, o creme umedecia a bolacha do cone antes do processo de congelação e estragava a experiência de consumo. É neste ano que é desenvolvida a receita de cobrir o interior do cone com chocolate. E isso resulta, pelo menos para mim, no melhor final de um gelado de sempre!

As campanhas internacionais da Cornetto sempre se associaram às suas raízes italianas. No entanto, em Portugal, a mensagem passada sempre fora a da partilha, com familiares, com namorados e mesmo com desconhecidos.

A Olá lançou diversos spots com diferentes ritmos, estilos e histórias, mas a letra utilizada seria sempre a mesma, por isso a mensagem era sempre igual, mas única.

O resultado foi uma campanha lançada durante os anos 80 que, na sua génese, antecipava o que anos mais tarde seria o lema de toda a marca Olá, “Partilha Felicidade”.

O meu nome é Filipe Saavedra e tenho 42 anos. O meu gosto por publicidade nasce pela forma como esta se relaciona cada vez mais com o consumidor e menos com o produto. Recorrer ao humor e à emoção para criar um contato genuíno com o consumidor é um caminho que todos devemos seguir. É que se a partilha de um Cornetto for um passo para a partilha da felicidade, então a próxima ronda de gelados é por minha conta!

A beleza que se sente, vê-se, por Mariana Torre | 10.digital

O conceito de beleza é complexo.

A beleza é estudada como parte da estética, da cultura, da psicologia social, da filosofia e da sociologia. No entanto, o que é belo é intrínseco aos olhos de quem o vê. E quando vemos algo belo, descuramos do conceito de harmonia e equilíbrio com a natureza, deitamos todos os estudos pela janela e estamos à mercê dos nossos olhos, da nossa perceção e da beleza que nos inunda.

É esta a teoria que a Dove pretende provar com a campanha Real Beauty Beats. Neste vídeo, a Dove pretende que sejam os homens os avaliadores da beleza. Não uma beleza vulgar, mas uma que se sente no coração.

Durante pouco mais de três minutos, somos postos no papel de avaliadores de beleza, interiorizando as nossas avaliações enquanto ouvimos os participantes a analisarem de forma simples as modelos que lhes são apresentadas.

No entanto, ligados a um monitor cardíaco, as palavras deixam de fazer sentido quando lhes são apresentados as suas irmãs, filhas, mães, avós, ou esposas. O coração fala mais do que as palavras que custam a sair e a verdadeira beleza revela-se, para quem a vê, em simples batimentos cardíacos.

É impossível ficarmos indiferentes com o resultado final e não repensarmos os nossos próprios graus de avaliação, até chegarmos à mais importante das conclusões: a beleza que se sente, vê-se.

O meu nome é Mariana Torre e tenho 23 anos. A minha paixão por publicidade nasceu de forma subliminar: no contacto com a televisão, com outdoors, ou na beleza que me faz bater o coração quando, de facto, vejo uma campanha que luta pela beleza verdadeira.

Alguns presentes são muito mais do que presentes, por Valter Santos | 10.digital

Campanha de Natal 2018 John Lewis & Partners

campanha de Natal de 2018, da John Lewis & Partners

Todos os anos aguardo ansiosamente pelos anúncios de Natal. É um cliché? É. Mas também é uma tradição, especialmente para quem trabalha diretamente na área criativa.

Gosto de ver todos os anúncios e perceber como é que ainda se conseguem transmitir mensagens fortes, de forma impactante, que nos toquem e despertem, trabalhando um tema que, quer queiramos quer não, está tão usado que pode ser repetitivo. Mas, quer sejam da Sainsbury, da John Lewis ou de qualquer outra empresa ou marca de peso, como a Apple, as campanhas de Natal continuam a fascinar-me. Estou sempre atento, gosto de assistir em primeira mão e, todos os anos, faço o meu próprio “Best Of”.

Mas vamos ao que nos trouxe aqui: escolhi a campanha de Natal de 2018, da John Lewis & Partners, como a minha campanha favorita. No último Natal, a história contada pela John Lewis mostrava o poder de um presente. E como um presente que inspirou, mudou e influenciou o curso da vida de um menino. O anúncio faz uma retrospetiva feliz ao impacto que aquele presente, que se revelou mais do que isso – “some gifts are more than just a gift” – teve na vida daquele menino. Esse menino é Elton John.

O filme começa na atualidade e funciona em modo de cronologia inversa. A história recua através da vida de Elton John até ao momento da manhã do Natal em que recebeu o piano, um presente especial que mudou sua vida para sempre.

A mensagem é forte e faz-nos refletir sobre quantas histórias de jogadores de futebol não terão começado com uma bola como presente, ou quantos músicos não começaram com uma guitarra oferecida num Natal longínquo.

E nós? Que presentes me terão ajudado a traçar o percurso da minha vida? E, agora, que chegou a minha vez de oferecer presentes de Natal a crianças, estarei eu a influenciar o caminho de alguém? Este anúncio fez-me parar e pensar. É aqui que muito do investimento em publicidade pode ser recuperado.

Apesar de ser um ávido consumidor de todas as publicidades natalícias, não escondo, na realidade, que as minhas fichas estão realmente sempre apostadas na campanha da John Lewis. Penso já ser assim desde há 10 anos, quando o bichinho do marketing e da comunicação se apoderou de mim, sem piedade.

Escolher a minha campanha preferida foi um trabalho árduo, porque quase todos os anos há uma mensagem forte e campanhas bem conseguidas. E há realmente vários anúncios me marcaram: como a do #manonthemoon, a do #mozthemonster, com a fantástica interpretação dos Elbow na versão de Golden Slumbers dos The Beatles, ou ainda #bustertheboxer em que um cão incrivelmente se apodera do trampolim de uma menina. 

Desta vez, além de me deixar tocar pela forte mensagem do anúncio, eu, que sou um apaixonado por música, deixei-me apanhar pelas minhas emoções mais profundas.

Sou o Valter Santos, tenho 30 anos, sou Digital Marketing Strategist na 10.digital, e adoro a Your Song, do Elton John – possivelmente o meu maior guilty pleasure. Esta talvez seja uma das músicas que mais cante quer seja no carro, quer seja no chuveiro – ou, se calhar, em todo o lado mesmo. E quando duas paixões se juntam, só podem dar em campanha favorita, não é?

 

Quer continuar a receber notícias nossas? Subscreva a nossa newsletter!

Confirmo que aceito ser contactado para fins de email marketing.*

* Campo obrigatório

Os 90 Anos de Super Bock, por Nuno Pinto | 10.digital

A esperança média de vida em Portugal era, em 2016, de 81 anos. Ou seja, alguém nascido em 1938, teria, mesmo assim, 9 anos de atraso para o nascimento da marca de cerveja Super Bock.

Essa vida é comemorada na campanha dos 90 anos da marca que, em diversos atos, meios e espaços temporais, celebra a vida e as vicissitudes das diferentes épocas, sempre com o mesmo propósito: fazer amigos.

É essa amizade que é revisitada em cada garrafa, em cada momento de contacto genuíno e em cada rebelião de sentimentos. A assinatura da campanha, “O autêntico nunca muda”, pretende despertar o carinho pelas amizades autênticas e cuja celebração deve ser feita com um sabor igualmente autêntico e cujo envelhecimento apenas o galvaniza.

A Super Bock conta uma história de nove décadas em 2 minutos, ultrapassa os períodos sombrios da história Portuguesa e sobrevive a todos os eventos mantendo-se sempre fiel a si própria.

O meu nome é Nuno Pinto e tenho 27 anos. Gosto de publicidade porque é uma forma de expressão artística, que engloba várias formas de expressão num só meio. É um veículo de distribuição de conteúdo personalizado nos sentimentos que desperta em cada pessoa. E quem não gostaria de ter um amigo durante 90 anos?

 

Quer continuar a receber notícias nossas? Subscreva a nossa newsletter!

Confirmo que aceito ser contactado para fins de email marketing.*

* Campo obrigatório

Um bolo de “Cucuáte”, por Joana Gomes | 10.digital

Campanha-marketing-agencia-10.digital

“O que é isso?” Uma simples questão dá o mote a um turbilhão de emoções, sentimentos e ligações que apenas se explicam sentido-as e vendo a campanha dos 90 anos da Vaqueiro, nomeadamente o spot “Cucuáte”.

Em três spots, “Cucuáte”, “Feito ao Bife” e “Mãe é Mãe”, a Vaqueiro celebra 90 anos de sabores de gerações e desperta no consumidor aquele sabor agridoce da saudade. Cozinhar aquela receita que nos marca, vinda da pessoa que mais nos marcou, desperta uma amálgama de emoções que se traduzem em sabores, aromas e, principalmente, memórias.

Nesta celebração de vida, a campanha pretende passar a mensagem que o sabor se mantém igual em todas as gerações da marca e das famílias, oferecendo a mesma confiança.

Com 60 segundos, os três spots merecem ser vistos do início ao fim, saboreando cada momento e, certamente, despertando em nós todas estas situações.

Cucuáte

Feito ao bife

Mãe é Mãe.

O meu nome é Joana Gomes e tenho 22 anos. A minha paixão por publicidade nasceu pela forma impactante como desperta emoções, passa a mensagem das marcas e acaba por vender o produto/serviço inerente. A publicidade é uma arte cuja atração foi natural e, hoje, vivo de perto a minha paixão.

 

Quer continuar a receber notícias nossas? Subscreva a nossa newsletter!

Confirmo que aceito ser contactado para fins de email marketing.*

* Campo obrigatório

“Diga Bom Dia com…”, por Édi Condorcet | 10.digital

Dia bom dia com mokambo

Diga bom dia com Mokambo – Campanha de Marketing – 10.digital

Diga Bom Dia – Édi Mamede

Trinta segundos. Não é preciso mais para que um jingle nos marque de tal forma que, passadas duas décadas, ainda o cantarolemos inconscientemente.
Este é o caso do jingle da Mokambo. Admite, lembras-te da melodia, da letra e do tom, com maior ou menor grau de precisão, tão bem quanto cantas os “Parabéns a Você”!

O poder da ligação entre uma música e a marca é o motivo pelo qual escolho esta campanha da “Mokambo” como a minha favorita. O ambiente do pequeno-almoço, revigorante e em família, toda a azáfama característica das primeiras horas do dia, traduz-se numa batida apressada, mas sempre com tempo para ser saboreada.

(versão dos anos 80)

A Nestlé lançou a última versão do anúncio em 1996 acreditando no poder criado na década de 80, para lançar um spot com apenas cinco palavras “Diga Bom Dia com Mokambo”, deixando o jingle ser cantarolado por cada telespectador sem recurso a qualquer letra.

(versão 1996)

O efeito criado durante os spots de trinta segundos foi tão forte que durante vinte e um anos a marca deixou de se publicitar nas televisões portuguesas, regressando em 2017, numa aposta mais intimista.

O meu nome é Édi Condorcet, tenho 28 anos e de manhã ainda me lembro do jingle da Mokambo, seja a ouvir um simples “Bom Dia” ou a beber café (mesmo se não for mistura de cereais e café). A minha paixão por publicidade nasceu quando primeiro me consciencializei do poder deste fenómeno. Se pensarmos, desde que acordamos até nos deitarmos, a publicidade e o marketing acompanham-nos durante todo o nosso trajeto diário.

Desde aquele grande outdoor que vemos de relâmpago do nosso carro, até àquele pequeno produto que está deliberadamente colocado à frente dos nossos olhos, numa estante de supermercado. Se a publicidade nos acompanha diariamente, porque não dar-lhe um abraço?

 

Quer continuar a receber notícias nossas? Subscreva a nossa newsletter!

Confirmo que aceito ser contactado para fins de email marketing.*

* Campo obrigatório

“Estás aqui para ser feliz”, por Rafaela Vilão | 10.digital

A Rafaela está aqui para ser feliz, e tu?

“Estás aqui para ser feliz” deixa-nos sem chão. Um velhinho prepara-se para conhecer um recém-nascido e escreve-lhe uma carta aberta sobre o porquê de estarmos aqui. Neste anúncio, o José, do alto dos seus 102 anos, dá-nos uma lição. Fala-nos de forma simples, crua e sem floreados. Não se vangloria, nem diz “no meu tempo é que era”. O José enaltece a vida e o que de bom podemos dela extrair. Relembra-nos que devemos relativizar os problemas e até a valorizá-los porque, contas feitas, nos tornam mais fortes. O José relembra-nos da força dos abraços, da importância das nossas pessoas e da missão que vem connosco quando chegamos ao Mundo: ser felizes, sem desviar a atenção para preciosismos.

O anúncio está aqui:

Podia ser um paradoxo, mas é uma realidade assumida e bem trabalhada: os anúncios da Coca-Cola não tentam vender uma única garrafa! Falam-nos da felicidade das coisas simples da vida e, uma delas é, claro, Coca-Cola. Quão bonito pode isso ser?

Quanto a mim, que me perco nestas histórias que tocam a alma, não sei quando é que comecei a interessar-me por marcas. Não sei quando é que comecei a estar atenta ao facto de terem algo de verdadeiro para nos dizer. Não foi cedo, mas também não foi tarde demais… Foi mesmo a tempo de hoje estar na 10.digital.

No entanto, gostar de palavras, de histórias, do que se diz de forma direta e simples, e do que se diz nas entrelinhas é-me inato. É uma longa relação e um compromisso tão grande como aquele que a Coca-Cola tem com todos os seus consumidores: abrir uma garrafa tem que nos trazer felicidade genuína.

Esta campanha cria uma sintonia perfeita entre a força das histórias das pessoas, as palavras simples e mensagens que nos tocam para além do visível. Chamo-me Rafaela Vilão, tenho 20 e tal anos, e enquanto escrevo isto ouço o Sr. José repetidamente. Se o encontrasse, dir-lhe-ia que trabalhar na 10.digital é o culminar do conselho que ele próprio dá: vai à procura do que te faz feliz.

 

Quer continuar a receber notícias nossas? Subscreva a nossa newsletter!

Confirmo que aceito ser contactado para fins de email marketing.*

* Campo obrigatório